Tebas: o arquiteto inesperado

Joaquim Pinto de Oliveira, ou Tebas, nasceu em 1721 em Santos/SP e era escravo de Bento de Oliveira Lima, um dos mais reconhecidos mestre de obras da baixada santista. Com ele, Tebas aprendeu os básicos para se tornar um pedreiro. 

Mas sua história não parou por aí. Seu talento o levou para o centro do estado, onde começou a carreira de um dos únicos arquitetos negros e escravizados.

Com apenas 29 anos, ele ajudou a projetar e construir a torre da primeira Catedral da Sé, o frontão do Mosteiro de São Bento e os elementos decorativos da fachada da Igreja da Ordem Terceira do Carmo. Foi também o responsável pelo primeiro chafariz público da cidade, o Chafariz da Misericórdia.

Rumores dizem que Tebas era o único capaz de construir a torre da Catedral e que só aceitou com duas condições: que fosse alforriado e que que o primeiro casamento da catedral fosse o dele.

Finalmente, o arquiteto autodidata conseguiu sua alforria em 1777, aos 58 anos, e exerceu seu trabalho até os 90 anos de idade. Tebas morreu no dia 11 de janeiro de 1811, vítima de gangrena, seu velório e sepultamento foram realizados na Igreja de São Gonçalo, ainda hoje existente na Praça João Mendes.

A história de Tebas é uma história de resiliência e não deve ser esquecida ou apagada. 

ZAC Imóveis por Gabriella Ramus